Santa Missa de envio de seminaristas

Com muita alegria, anunciamos que cinco jovens da comunidade da UnB irão iniciar seu caminho de vocação sacerdotal, e foram aceitos no Seminário Maior Arquidiocesano de Brasília. São eles: Lucas Aquino, Luigi Sousa, Luiz Fernando, Mateus Manoel e Miguel José.

Todos são convidados a participar da Santa Missa de envio desses jovens. Ocorrerá hoje, terça-feira (10/12), no Anfiteatro 6 às 12h15min.

Para comemorar, será oferecido um piquenique após a Santa Missa. Para quem for participar, é solicitado a contribuição com algum prato, doce ou salgado, ou bebidas.

Informativo de Dezembro de 2019

Já está disponível o Informativo de Novembro da Paróquia Nossa Senhora do Lago!
Nele você poderá conferir vários artigos escritos pelos padres, seminaristas, diáconos e paroquianos, além de avisos e lembrete das atividades da nossa Paróquia!

Clique aqui e Confira!

Advento – Histórico

O dia de hoje marca o início da segunda semana do Advento, que dá continuidade à preparação
para o dia do Natal. À medida que a grande festa se aproxima, decoramos nossas casas e igrejas com
sinais de alegria e preparamos nossos corações para receber o menino Jesus. Não se sabe ao certo
quando os cristãos começaram a celebrar o Advento, pois este, como tantas outras tradições cristãs, se
transformou ao longo dos séculos e aos poucos tomou a forma pela qual o conhecemos hoje.

A forma mais primitiva do Advento vem do Concílio de Saragossa, na Espanha, realizado no
ano 380. O Concílio prescreveu aos fiéis da região um jejum de três semanas, se extendo do dia 17 de
dezembro até a festa da Epifania, no dia 6 de janeiro. Essa festa, a exemplo da Páscoa, era considerado
um tempo próprio para batizar novos cristãos, pois na Epifania se faz memória do Batismo de Jesus nas
águas do Jordão. Esse fato sugere que tal jejum fora concebido principalmente em razão do sacramento
do Batismo, e não como forma de preparação para a festa do nascimento de Cristo.

O mais antigo relato a respeito desse tempo litúrgico sendo usado como preparação para o Natal
vem de São Gregório de Tours, bispo de Tours no final do século VI. Em seu livro A História dos
Francos ele relata que seu predecessor São Perpétuo, bispo de Tours entre os anos 460 e 490, decretara
jejum três vezes por semana, desde a festa de São Martinho de Tours (no dia 11 de novembro) até o
Natal. Não se sabe se Perpétuo estava criando um novo costume ou apenas adotara uma regra já
existente. Esse tempo de aproximadamente 40 dias seria consagrado às práticas penitenciais, como uma
espécie de “segunda quaresma”, mais leve que aquela que antecede a Páscoa. No Primeiro Concílio de
Macon, no ano de 582, esse jejum foi oficializado às segundas, quartas e sextas-feiras, e decidiu-se que
a Santa Missa seria celebrada de acordo com o rito quaresmal. Ainda no século VI, relata-se que
algumas dioceses francesas praticavam o jejum do dia de São Martinho até a Epifania, em todos os dias
da semana exceto aos sábados e domingos. Esse período consistia portanto de 56 dias, mas apenas 40
de jejum.

São Gregório Magno, papa durante o final do século VI, foi o primeiro a oficializar o período
que conhecemos como Advento para toda a Igreja ocidental, ratificando o jejum que havia sido
estabelecido, mas dando certa liberdade aos bispos locais para regular as formas de sua observância. A
esta altura, a essência do Advento era mais litúrgica do que ascética, e muito mais ligada à natividade
do que à conferência do Batismo. Gregório também estabeleceu que o período do Advento seria
constituído de cinco domingos contados em ordem reversa (isto é, o domingo mais próximo ao Natal
seria chamado Primeiro Domingo do Advento).

Por volta do século VII, o Advento também ganhou um aspecto escatológico, isto é, de
preparação para a segunda vinda de Cristo no fim dos tempos. Unindo as duas vindas de Jesus, a Igreja
espera inspirar nos fiéis o mesmo sentimento que acometia o povo de Israel: a espera ansiosa pela
chegada do Messias. Mais tarde, no século VIII ou IX, o primeiro domingo do Advento começou a ser
utlizado para delimitar o início do ano litúrgico. Foi também nessa época que sua duração foi reduzida
a quatro domingos.

Por fim, o Advento sofreu leves modificações a partir do Concílio Vaticano II. Segundo os
documentos oficiais do Concílio, esse tempo passou a ser entendido como um período de “alegria cheia
de expectativa e devoção”, não mais sendo considerado um tempo de penitência. Contudo, a restrição
ao canto do Glória e o uso do roxo nas celebrações litúrgicas permaneceram, para que tanto o hino de
louvor quanto as vestes brancas brilhassem com mais força no Natal. Para refletir o duplo significado
do Advento, o Concílio determinou ainda que a primeira metade desse período fosse usada para
expressar a espera pela segunda vinda de Cristo, enquanto a segunda metade seria utilizada para
preparar os fiéis mais diretamente para a festa do Natal.

É possível ver, portanto, que o Advento sofreu diversas transformações ao longo do tempo, à
medida que os cristãos ganhavam maior compreensão sobre os mistérios das duas vindas de Cristo.
Durante esse período, nós cristãos devemos nos preparar para receber a graça da salvação, em um
processo iniciado na Encarnação e que será coroado no retorno glorioso de Jesus, no dia que não
conhecerá fim.

Advento – Símbolos do Presépio

Presépio: o símbolo do príncipio da fé.

Na singularidade do significado, Advento é a pronúncia mais clara do que representa a chegada. É o tempo que antecede o natal e todos os seus significados. É o tempo cativo, em que somos preparados para o momento do real nascimento do que enraíza a fé cristã.

O Natal começa a ser vivido, lembrado e discutido. A igreja se volta de modo especial para o nascimento daquEle que veio para para nos salvar. E de repente tudo fica um pouco mais iluminado, pois a salvação das almas está concentrada na vulnerabilidade e inocência de uma pequena criança, que teve como primeiro berço uma manjedoura.

Por falar nisso, muitos não sabem o que é uma manjedoura. Mas para deixar claro, trata-se de um suporte onde costumava-se depositar alimentos de alguns animais como vacas e cavalos.

Em termos práticos, Jesus nasceu em meio a simplicidade para se fazer grande e ultrapassar barreiras quebrando paradigmas. O nosso Salvador nasceu sem status, porém, com a maior das responsabilidades que um homem já carregou.

E a beleza desse nascimento e do surgimento de uma nova caminhada, fica explícita e desenhada na cena relatada dentro dos presépios. Jesus, acompanhado da estrela, de anjos, animais, pastores, os reis magos e seus queridos pais: Maria e José, faz notável a importância que Deus deu a humanidade; que não estava só corrompida, como se desfazendo em excessos.

O presépio é datado de 1223, ano em que São Francisco de Assis criou com o objetivo de facilitar não só a compreensão dos fiéis, como a vivência daqueles que não entendiam a importância do momento.

Os presépios podem ter mais ou menos personagens, no entanto, todos os que compõe carregam significados:

Animais: a natureza a serviço do homem e a simplicidade e mansidão no servir.

Pastores: humildade e entendimento de que todos tem igual importância.

Anjo ou anjos: a representação do céu em festa pelo nascimento do menino Deus.

Estrela: a luz de Deus que guia os homens ao caminho que se deve seguir ( e que guiou os três reis magos)

Os três reis magos e seus presentes: Belchior, Gaspar e Baltazar eram homens considerados da ciência, entendiam de astronomia, medicina e matemática. Eles representam o caminho da ciência que leva até a fé. Jesus foi presenteado por eles com ouro, incenso e mirra. Ouro representando realeza, pois era um presente que reis costumavam receber. Incenso representando divindade; um presente geralmente direcionado a sacerdotes. E mirra representando martírio e eternidade. Mostrando o sofrimento que estava por vir, mas confirmando que o reinado seria eterno.

São José: Pai adotivo de Jesus e homem terreno que representa a fidelidade da fé e a confiança em Deus.

Maria: Mãe de Jesus, sacrário vivo que disse sim e por ela Jesus veio até nós. Mãe da humanidade.

Menino Jesus: O Salvador! Deus que se fez homem e veio até nós assumindo a forma humana no intuito salvar e resgatar almas.

O presépio é montado no primeiro domingo do advento e recolhido no dia seis de janeiro quando a igreja celebra a Solenidade de Epifania do Senhor. O presépio é um dos símbolos mais queridos pelos cristãos, pois nele é possível encontrar a cena que originou o que hoje chamamos de fé.

Advento – Tempo Litúrgico

Neste domingo, a Igreja se reúne para repetir as palavras proclamadas no Evangelho segundo São Lucas: “Jesus, lembra-Te de mim quando entrares em Teu reino”. A cena da Paixão narrada no Evangelho é uma excelente representação da condição da humanidade e do seu destino: Jesus é um inocente crucificado junto a dois malfeitores. Um deles se deleita com o sofrimento do homem que partilha de seu destino; está determinado a morrer da maneira como viveu, em meio a insultos e à violência. O outro, porém, enxergou no Cristo sua salvação; reconheceu seu erro e recebeu de bom grado seu castigo, pois reconheceu que sofria a mesma pena de um inocente. O bom ladrão, conhecido na tradição católica como São Dimas, não pediu para ser poupado da cruz, mas que Jesus o amasse além da morte.

A solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, é uma celebração do amor reconciliador de Deus para conosco, no momento em que nós, representados pelos criminosos que ladeavam a Santa Cruz, nos encontramos mais fracos e necessitados de Seu perdão. Na Cruz, coroado por espinhos, Cristo triunfa sobre a morte e o pecado e recebe o domínio de todas as coisas, porque pagou o preço com Seu preciosíssimo sangue. Neste dia de festa, somos convidados a refletir sobre o papel que desejamos desempenhar em nossa vida: o do ladrão que insiste em seus erros, ou o do criminoso penitente que suplica a Jesus a honra de ser contado entre os eleitos.

Este domingo marca ainda o início da última semana do ano litúrgico, depois da qual se iniciará o tempo do Advento, que consiste nas quatro semanas anteriores ao Natal. A palavra advento é uma tradução da palavra grega parousia, que significa “vinda” ou “chegada”. A tradição cristã nos fala de três vindas do Cristo: Ele veio a este mundo na carne em Belém; vem diariamente em nossos corações; e virá novamente em Sua glória no fim dos tempos. O Advento é, portanto, um tempo de comemoração pela primeira vinda de Cristo e também de antecipação pela volta do Messias.

A liturgia deste tempo reflete muito claramente este duplo significado: as leituras dos dois primeiros domingos do Advento fazem reflexões sobre o fim dos tempos e o Reino dos céus; as dos dois últimos tratam da paz e do amor causados pela Natividade em Belém. Durante este tempo, a Igreja se veste de roxo, cor que simboliza a espera; no terceiro domingo, pode-se usar o róseo, cor da alegria. A exemplo do que acontece na Quaresma, o hino de louvor é omitido, sendo novamente cantado na noite de Natal; porém, porque o Advento é um tempo sobretudo de expectativa, o Aleluia é permitido.

Por fim, o tempo do Advento possui um caráter penitencial, incitando aos fiéis a busca pelos sacramentos da Penitência e da Eucaristia e diversas formas de piedade. O Evangelho do primeiro domingo adverte: “ficai atentos, porque não sabeis em que dia virá o Senhor”; assim, se os cristãos esperam a volta de seu Rei, precisam estar preparados para este tão sublime encontro.

Troca de Coordenação – VEM

Nesse final de semana tivemos mais um encontro de jovens VEM muito abençoado!
Agradecemos a dedicação da equipe da coordenação geral 2019!! Tudo que foi feito contribuiu para o crescimento do reino de Deus, e mudou a vida de muitos jovens!
Aproveitamos para dar as boas-vindas à equipe da coordenação geral 2020! Que vocês possam continuar esse lindo trabalho de evangelização!
Que a próxima padroeira, Santa Dulce dos Pobres possa nos abençoar! 🙏🏽😍🎉

Bodas de Ouro – Cursilhos

No domingo, 20, comemoramos o Jubileu de ouro dos Cursilhos em Brasília com uma celebração na Catedral.
Nosso querido pároco, padre Norbey, participou da comemoração.

Leitoa Assada!

Esse domingo tivemos o primeiro evento da Pastoral de Eventos.
Uma deliciosa leitoa assada de almoço. O evento contou tambem com a apresentação musical da Norbey’s Band.
Foi um sucesso!

Dia de Missões

Semana passada foi bem movimentada para os paroquianos da comunidade do Lago Norte.
A semana das missões teve palestras e orações.
Teve como ápice a missão porta a porta que ocorreu no sábado, 19/10 e finalizou com a Missa de encerramento na Paróquia Nossa Senhora da Saúde no domingo, 20/10.
Foram 98 missionários (com boa participação dos jovens), 30 casas visitadas (Olhos D’água e Trecho III) que contou ainda com a Unção dos Enfermos ministrada pelo Pe. Wilker.
Confira as fotos!

26 anos de Pároco – pe. Norbey – Homenagem

É com o coração transbordando de gratidão que louvamos a Deus pela vida do nosso querido Padre Norbey, que neste mês de outubro, celebra 26 anos como pároco na nossa Paróquia.

São muitos anos de dedicação às nossas comunidades. Histórias que cada paroquiano traz em sua memória. Colhemos grandes frutos com o seu pastoreio nos direcionando sempre para o caminho do amor, da fé e da sabedoria.

A Paróquia Nossa Senhora do Lago é abençoada pela sua presença, Padre Norbey. Agradecemos todo o seu servir à Deus e a sua doação e dedicação aos seus paroquianos.

PASCOM, Pastoral da Comunicação